Cinco animes com protagonistas mulheres que você realmente precisa conhecer. #p2

Hey galera, tudo bem? bom, como prometido, estou iniciando a segunda parte do post anterior (aqui), trazendo mais cinco animes com protagonistas mulheres. Mantendo a vibe do anterior, apresentando algumas séries que fogem do padrão, com personagens principais femininas nos mangás/animes, com características marcantes, fortes e decididas, então vamos para a segunda parte da lista? Here we go!

5. Cardcaptor Sakura

Gênero: Shoujo, mahou shoujo, drama, magia, comédia, romance.

Autor: CLAMP.

Publicação original: 1996 – 2000.

Produção: Madhouse.

Exibição original: 10 de Outubro de 1979 – 3 de Setembro de 1980.

Temporadas: 1.

Filmes: 2

Número de episódios: 70 + ova’s.

Sinopse:

Sakura Kinomoto é uma garota de 10 anos, estudante da fictícia cidade japonesa de Tomoeda, que por acidente abre um livro misterioso, chamado Livro Clow. Do livro saem 52 cartas mágicas levadas por uma tempestade de vento causada pela magia da carta Vento, que foi libertada quando Sakura leu o seu nome. Kerberos, o guardião das cartas (uma criatura muito parecida com um animal de pelúcia bem pequeno), surge do livro e conta a Sakura que as cartas foram espalhadas por toda Tomoeda e é seu dever capturá-las de novo e se tornar uma cardcaptor (caçadora de cartas).

Comentário:

Sakura é um clássico dos anos 90, fato. É um shoujo com uma atmosfera mais leve e mais tranquila de assistir. Ele não desconstrói tanto quanto os outros que foram citados no artigo anterior ou serão citados mais a frente, mas definitivamente ele trabalha pontos que poucos animes do gênero trabalham, principalmente o amadurecimento precoce da sua protagonista, que é colocada dentro de uma espiral muito complexa de acontecimentos. Apesar de ser uma série de cunho infanto-juvenil, Sakura trabalha alguns pontos polêmicos de maneira mais leve e pouco perceptível. A dinâmica da história é tão agradável, que você acaba passando desapercebido por certos detalhes que a história apresenta e conta se não ler com bastante atenção. Em contrapartida, ele te prende pelo grande mistério que tem na história e na curiosidade de como as coisas vão se desenvolver, principalmente com a protagonista, que a cada capítulo, mostra um novo entendimento a respeito dos outros, da vida e do seu cotidiano, inclusive sobre seus poderes ocultos, que se mostram cada vez mais fortes e mais bem resolvidos.

4. Magic Knight Rayearth

Gênero: Mahou shoujo, mecha, ação, RPG, drama, aventura.

Autor: CLAMP.

Publicação original: 1993 – 1995.

Produção: Tokyo Movie Shinsha.

Exibição original: 17 de outubro de 1994 – 13 de março de 1995.

Temporadas: 2.

Número de episódios: 49 + 3 ova’s.

Sinopse:

Durante uma excursão escolar à torre de Tóquio, três estudantes: Hikaru Shidou, Umi Ryuuzaki e Fuu Houoji são convocadas pela Princesa Emeraude para salvarem Cephiro. Ao chegarem lá são recebidas pelo Guru Clef. Ele conta tudo sobre aquele mundo mágico e que Princesa Emeraude havia sido raptada pelo sumo-sacerdote Zagato. As três garotas, foram convocadas para se tornarem Guerreiras Mágicas de Cephiro. Para conseguir isso, Clef deu a cada uma delas uma armadura que evolui conforme seu desempenho e poderes diferentes: Hikaru com o elemento Fogo, Umi com o elemento água e Fuu com o elemento vento.

Comentários:

Mais um do CLAMP integrando o top 5 da matéria. Diferente de Sakura, Magic Knight Rayearth ou Guerreiras Mágicas de Rayearth como foi conhecido aqui no Brasil, nos traz um ponto de vista bem distante dos mahou shoujos tradicionais. Criado um ano após o sucesso estrondoso de Sailor Moon na época, foi um anime completamente diferente das propostas de shoujo, já que ele trazia elementos do RPG a trama, tais como armas e armaduras que evoluem, magias diferenciadas e etc. Inclusive, a alguns anos atrás era possível encontrar livros de 3D&T contendo tramas para jogos de mesa com esse anime/mangá. Aqui no Brasil o anime foi exibido no SBT e fez um enorme sucesso na época em que foi transmitido, não perdendo em nada para as séries da Manchete ou Band. Este anime em particular, fez muito sucesso também entre nós garotos -agora adultos-, por apresentar mulheres fortes, combates bem elaborados e robôs gigantes, sim! (risos).

3. Paradise Kiss

Gênero: Drama, slice of life, romance, shoujo, psicológico, moda.

Autora: Ai Yazawa.

Publicação original: 1999 – 2003.

Produção: Madhouse.

Exibição original: 13 de outubro de 2005 – 29 de dezembro de 2005.

Temporadas: 1.

Filmes: 1 (live action)

Número de episódios: 12.

Sinopse:

Hayasaka Yukari, 17 anos, está para prestar o vestibular. Ela sempre se dedicou aos estudos, por pressão de sua família. Um belo dia, Yukari está indo para o cursinho e um punk aborda-a, dizendo ser seu “dia de sorte”. Quando descobre no ateliê de um grupo de formandos da Yazawa Gakuen, uma escola um tanto diferente, onde alunos e alunas do ginásio até a faculdade, podem se dedicar às matérias comuns e algum ramo da moda. Yukari fica curiosa a respeito dos planos do grupo, e acaba, depois de alguma resistência, embarcando na aventura, se apaixonando por George, o líder do grupo.

Comentários:

Confesso pra vocês que a princípio quando li a sinopse, ele não me agradou muito de cara e eu achei que iria detestar a série, mas foi justamente o oposto. É uma série que traz um toque realista ao shoujo, principalmente aos romances, apresentando o ponto de vista de que nem sempre o príncipe encantado é perfeito e em diversas vezes ele chega a ser abusivo e esdrúxulo em alguns pontos. É uma série que acredito que possa causar algum tipo de reflexão, principalmente para o seu público de destino. A protagonista começa de um jeito na série e aos poucos vai se modelando conforme os acontecimentos. Ao final de tudo, nota-se que ela teve uma mudança radical no seu comportamento e que apesar dos momentos tensos e tristes, ela realmente consegue dar a volta por cima.

2. Kyoukai no Kanata

Gênero: Ação, sobrenatural, drama, romance, fantasia, psicológico.

Autor: Nagomu Torii.

Publicação original: 2012 – atualmente.

Produção: Kyoto Animation.

Exibição original: 2 de outubro de 2013 – 18 de dezembro de 2013.

Temporadas: 1.

Filmes: 2.

Número de episódios: 12 + ova’s.

Sinopse:

A história acompanha Akihito Kanbara, segundo ano, que apesar de parecer humano, é metade youmu e pode se curar rapidamente de feridas, tornando-se praticamente invulnerável. Um dia, Akihito encontra a caloura Mirai Kuriyama, quando ela parecia querer pular da cobertura da escola. Mirai é solitária por causa da habilidade que possui de manipular sangue,o que é considerado heresia mesmo entre as pessoas do mundo espiritual.Logo após que Akihito salva Mirai e terríveis eventos começam a acontecer aos dois.

Comentário:

Esse anime não chega a ser um shoujo em si, mas traz sim uma personagem principal que condiz com a temática do post. Dividindo o cargo de protagonista o posto com um menino, -que acabam sendo o casal do anime, óbvio- Mirai é uma garota linda, com aquele toque moe dos animes, mas convive com muitos complexos e passado obscuro, além de que não é lá muito confiante em si mesma a princípio, mas isso vai passando e a sua confiança vai se estabelecendo conforme a trama se desenvolve. É um anime muito bom de assistir, pois a sua evolução, tanto da história quanto os personagens, ocorre de forma muito natural, mesclando com cenas marcantes de ação e uma história de tirar o fôlego. Esse é um daqueles animes que você se envolve a tal ponto, que ora você sorri, ora você chora, ora você se empolga, causando um turbilhão de emoções ao telespectador. Definitivamente é um anime que merece destaque nesta lista, pois contem diversas personalidades femininas fortes e marcantes.

1. NANA

Gênero: Shoujo, psicológico, slice of life, drama, romance, música.

Autora: Ai Yazawa.

Publicação original: 2000 – 2009(hiatus).

Produção: Madhouse.

Exibição original: 5 de abril de 2006 – 27 de março de 2007.

Temporadas: 1.

Filmes: 2 (live action).

Número de episódios: 47.

Sinopse:

Tóquio: a metrópole dos sonhos, das oportunidades, das grandes realizações pessoais. Nana Komatsu (“Hachi”) está a procura de um lugar para se sentar no trem que parte rumo a capital nipônica. Ela viaja com o intuito de encontrar seu namorado, Shouji, e arrumar um emprego. Coincidentemente, ela senta ao lado de Nana Osaki, que estava viajando para o mesmo destino, carregando consigo um grande sonho: torna-se uma grande ícone da música. Vocalista de sua banda punk “Blast”, Nana Osaki almeja fazer uma grandiosa performance no “Blast”, local onde seu namorado, Ren, é o guitarrista de uma banda muito popular, o “Trapnest”. Compartilhando o mesmo nome “Nana”, as duas garotas rapidamente criam um forte laço de amizade. Seus caminhos se cruzarão novamente quando ambas se vêem na procura de uma acomodação. Eventualmente, as garotas decidem morar no mesmo apartamento e, com isso, a amizade aumenta. E, assim, caminham as “Nanas”: enfrentando as loucuras de suas vidas e carreiras.

Comentário:

Eu recomendo muito que assistam esse anime em particular. Ele traz uma história envolvente e muito complexa. Nana traz duas pessoas, com o mesmo nome, mas com personalidades muito diferentes construindo uma amizade muito forte. Enquanto uma é vocalista de uma banda de rock, a outra vive em um mundo “cor de rosa”, quase que “alienada”, intocável. A série lida com temas fortes, como estupro, gravidez indesejada, romances destrutivos e jogos de interesses. Como de costume da autora Ai Yazawa, ela sempre trabalha com tons realistas as suas tramas, procurando não trazer histórias com romances perfeitos ou extremamente fantasiosos. Esta é uma daquelas histórias que realmente vale a pena acompanhar, pois a trama é marcante e por ser um anime com música, a soundtrack é muito boa, vale muito a pena (confiram a opening: aqui ). Infelizmente, o mangá encontra-se em hiato desde 2009 e sem previsão de retorno no momento, mas qualquer notícia sobre o retorno esta série, será postado aqui no blog.

Bom gente, eu espero que tenham gostado da nossa primeira sequência de um post. Você já assistiu algum desses animes das duas listas apresentadas aqui no blog? deixe seu comentário no post com a sua opinião e até o próximo post!

Texto escrito por: Lucas Souza.

Anúncios

10 comentários sobre “Cinco animes com protagonistas mulheres que você realmente precisa conhecer. #p2

  1. etiojunior disse:

    Sakura Card Captors e Guerreiras Mágicas!
    Os melhores animes de “menininha” junto à Sailor Moon!😁😁😁
    Sakura está previsto a voltar ao que parece com novos capítulos no mangá, em comemoração aos 20 anos da série!
    Não vejo a hora…

    E já passou do tempo também de alguma produtora fazer um remake decente de Guerreiras Mágicas, totalmente voltado ao mangá!
    Seria glorioso rever aqueles mechas em full hd!!!😊😊😊

    Curtido por 1 pessoa

    • somaisumaleatorio disse:

      Olá Etio, beleza? eu sou muito suspeito pra falar sobre Guerreiras Mágicas, pois tem um valor sentimental muito grande pra mim, hahahaha.
      Realmente, seria maravilhoso ver um remake de Rayearth, principalmente se viesse de acordo com o mangá, que possui um desenvolvimento, uma história melhor que a do anime. -levando em conta que a segunda fase do anime é totalmente filler-

      Sobre Sakura, o mangá já lançou seu primeiro capítulo novo e tem como título a nova história como “arco das cartas brancas” e também foi confirmado o lançamento de um novo anime de Sakura.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Beatriz F. disse:

    Da lista só cheguei a acompanhar o Cardcaptor Sakura (na mesma época que eu também assistia Sailor Moon). Toda vez que passava, eu chegava até a montar uma barraca improvisada, ou então colocava uma cadeira bem próxima da TV porque o sofá ficava meio longe HAUISDHSAUI

    Preciso assistir Kyoukai no Kanata, to enrolando há séculos já.
    Fiquei com uma enorme vontade de assistir NANA depois de ler esse post, socorro.

    Curtido por 1 pessoa

    • somaisumaleatorio disse:

      Olá Beatriz! obrigado por compartilhar a sua opinião conosco. Hahahaha, saudades infância boa com esses desenhos. ❤

      Olha, eu recomendo muito Kyoukai no Kanata, tem uma história extremamente envolvente.
      Nana é maravilhoso, assim como Paradise Kiss. A Ai Yazawa tem uma coisa nas séries dela, que parece que tudo te envolve por completo, são maravilhosos os trabalhos dela.

      Curtir

  3. Kelen Vasconcelos disse:

    Olá Lucas!
    Q post maravilhoso *-* Sério! Amoooooooooo Guerreiras Mágicas. A minha favorita é a Marine. Agora com a volta da Sakura estou super empolgada. O problema é conseguir ter acesso a notícias bem fresquinhas sobre isso… Pelo menos o anime vou tentar acompanhar, mas antes preciso terminar de ver o início.
    Só os dois últimos não conhecia. Agora Paradise, curti bem mais o filme do que o desenho. Ficou muito bem feito e adaptado. Vc viu?
    Bjos
    https://kelenvasconcelos.blogspot.com.br/

    Curtido por 1 pessoa

    • somaisumaleatorio disse:

      Olá Kelen, tudo bem? obrigado por comentar o post e que bom que gostou! isso me motiva a trazer mais posts com esse foco.
      Bem, eu também gosto muito de Guerreiras Mágicas e também sou apaixonado pela Umi (Marine).
      As notícias sobre Sakura, até que estão bem fáceis de se encontrar viu? por incrível que pareça. Muita coisa tem saído nesses últimos meses a respeito. Eu mesmo já consegui os scans do primeiro capítulo do mangá novo. Por enquanto, está envolto em mistérios e a trama parece que vai se desenvolver de um jeito bem bacana! Olha, eu recomendo que se for rever Sakura, que veja legendado. A dublagem censurou muitos diálogos na trama, inclusive, coisas referentes ao mangá que são explicadas e muito bem colocadas, visto que aqui no Brasil, Sakura é um anime mais infantil, devido a leve censura que sofreu. Você vai se surpreender com a complexidade do conteúdo que o anime (apesar de ser meio censurado também se comparado com o mangá) traz.
      Sobre ParaKiss, sim, eu assisti tanto ao anime, quanto ao live. Apesar do live ter uma história bacana, ele fantasiou e romantizou muito a coisa toda. O relacionamento da Yukari com o George é muito abusivo no anime/mangá, então o live deu uma amenizada na história, mas sim, o filme em si ficou bem divertido, apesar das mudanças!

      Curtir

      • Kelen Vasconcelos disse:

        Obrigada pela dica de ver legendado. Mesmo pq com a continuação do anime, será impossível num primeiro momento encontrar dublado né?! Na verdade sempre prefiro ver os animes legendados. Acho que ficam mais intensos ^^
        Sigo uma página sobre a Clamp no face e eles tem informado coisas bem legais, estou a espera dos primeiros episódios *-*
        Bjos

        Curtido por 1 pessoa

  4. Sagitarius disse:

    Vindo comentar a segunda parte.

    Desses, só vi mesmo Card Captor Sakura, que é até hoje meu shoujo preferido (se bem que recentemente quase foi desbancado dessa posição por Orange). Sakura é lindo, é divertido, é emocionante. Você se diverte com os personagens, se emociona com eles e fica ansioso por ver cada vez mais o grande desenvolvimento de Sakura, que é obrigada a “crescer” e tomar várias decisões importantes, mesmo sendo uma criança ainda. Os personagens secundários também são ótimos.

    Falando apenas do anime, realmente ele não “descontrói muito”, tendo apenas algumas insinuações sutis de homossexualidade. Já no mangá isso é bem mais explícito, pois lá vemos claramente que Toiya e Yukito são um casal gay e que Tomoyo é apaixonada pela Sakura, assim como sua mãe (que, a propósito, e bissexual), foi apaixonada pela mãe da Sakura. Tem também o caso da Rika e do professor, que é a única coisa que não concordo no mangá, e parece que até as autoras não quiseram voltar com isso, já que retiraram a personagem na volta do mangá agora a pouco.

    Dos outros, comecei a ver Guerreiras Mágicas de Rayearth, mas nunca terminei (pretendo terminar ainda). Kyoukai no Kanata peguei emprestado com um amigo e está aqui na lista pra ver. Já Nana e Paradise Kiss já ouvi falar muito bem, mas nunca vi. Tenho vontade de ver Nana, mas o fato da história estar incompleta me afasta um pouco dela.

    Curtido por 1 pessoa

  5. SHIGATSU ( #PARKBOMFACEWIN2017 ) disse:

    Muito boa essa série de post sobre protagonistas femininas parabéns!

    O pessoal que só assiste shounen e ecchi, acham que as mulheres nos animes se resumem a peitos balançando e calcinhas @_@ A primeira parte começou logo com a Oscar pra calar a boca deles ❤

    Recomendo fortemente a Re-I de Ergo Proxy também!

    O anime é ótimo, (dizem que o designe dela foi inspirado na Amy Lee do Evanescence) ela tem muita personalidade e o anime é ótimo também!

    Curtido por 1 pessoa

    • somaisumaleatorio disse:

      Olá, antes de mais nada agradeço pelo comentário e por estar visitando o blog ❤

      Eu te confesso que na maioria das vezes acabo dando preferência a animes em que os protagonistas são garotas, e quando o anime não tem uma protagonista eu acabo me interessando por a personagem secundária que é foda (quase todo anime tem aquela personagem secundária que é foda kk).

      Vejo shounens também, mas ultimamente tenho tentado ver outros gêneros também para poder ampliar mais e mais meu leque de conhecimento. Eu gosto sempre de estar conhecendo coisas novas.

      Desde já agradeço pela indicação, com certeza irei ver. Estava olhando o traço dessa animação aqui e amei. É bem provável que eu apareça com uma resenha aqui futuramente kkkkkkkkkkkk

      Agradeço pelo acesso. Volte sempre!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s